Este é um projeto de PD&I com foco em empreendedorismo tecnológico, desenvolvimento de software em tecnologias habilitadoras e capacitação tecnológica.

O mercado mundial de aplicações móveis é estimado hoje em torno de 100 bilhões de dólares e cresce a uma taxa anual aproximada de 14% (Market Research Future, 2019). Trata-se de um mercado inesgotável realimentado continuamente pela disponibilidade de novas tecnologias, técnicas, dispositivos e áreas de aplicação. Estas, em particular, deverão ter crescimento explosivo nos próximos anos, em virtude da disseminação de novas tecnologias e tendências como Internet das Coisas (IoT), Edge Computing, Blockchain e Indústria 4.0, entre outras.

O Brasil corre sério risco de não participar da disputa por esse mercado pela escassez de mão de obra qualificada para o setor de Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs). Segundo estudos da Softex, no Brasil, em 2022, o déficit de profissionais de tecnologias da informação deverá superar 400 mil, ocasionando (no final do período da análise: 2011-2022) uma perda de negócios de quase R$ 140 bilhões para o setor (http://softex.br/inteligencia/).

O outro lado dessa escassez é a qualidade da formação dos recursos humanos. Quanto a isso, é notório o descompasso entre escolas (principalmente academia) e empresas. Além de objetivos diferentes, com o aumento da velocidade de criação e disseminação de novas tecnologias, as escolas, em geral, têm dificuldades para manter as ementas de seus cursos atualizadas e alinhadas com as demandas e necessidades das empresas.

Para contornar este cenário e manterem-se competitivas as empresas investem cada vez mais em complementar a formação de seus colaboradores, promovendo cursos e treinamentos que são ministrados tanto no momento do recrutamento de novos profissionais quanto no processo de reciclagem de seu quadro de colaboradores. Estes investimentos são realizados de forma isolada, ou seja, cada empresa cria seu próprio programa de capacitação inicial ou de reciclagem de talentos e se responsabiliza pela sua operacionalização, criando muitas vezes, áreas internas que demandam grandes investimentos e alocação de pessoal, que poderiam ser usados para aumentar a competitividade e o crescimento da empresa.

Este projeto propõe-se a endereçar essa oportunidade, contribuindo para atenuar a situação apontada por meio da capacitação tecnológica de jovens para enfrentarem os desafios do setor de TICs. O projeto exercitará um Programa Piloto de estímulo vocacional e complementação da formação de jovens que estejam finalizando o curso técnico, curso de graduação, ou participem de programas de formação de jovens no modelo Jovem Aprendiz. O programa focará o desenvolvimento de habilidades e conhecimentos pautados nas demandas e necessidades identificadas junto às empresas que demandam mão de obra técnica especializada de tecnologias da informação, em especial das micro e pequenas empresas que apoiarão e participarão do projeto.

Missão Softex

Tornar disponíveis recursos humanos qualificados,tanto em tecnologias como em negócios.

Este projeto está alinhado com a missão da Softex e suas ações atendem explicitamente 4 diretrizes fundamentais:

Capacitação de recursos humanos para os setores de software e tecnologia.

Implantação de melhores práticas em desenvolvimento de software.

Cultivo da cultura de empreendedorismo e inovação tecnológica no Brasil.

Criação de oportunidades de negócios tanto no Brasil como no exterior.

Foco

A operacionalização do Programa focará duas frentes de atuação:

Empresas

De um lado o Programa mapeará qualitativa e quantitativamente a demanda atual e futura, em um horizonte de 18 meses, das empresas, identificando aspectos como: o perfil dos profissionais que serão demandados, o portfólio de conhecimento desejado, as tendências tecnológicas que cada empresa acredita que vigorarão no curto e médio prazo, dentre outros. As empresas serão incentivadas a participar de forma ativa do programa alocando seus profissionais técnicos e de RH para participar do processo de seleção dos alunos, acompanhar as aulas e o desempenho dos alunos, ministrar aulas técnicas, etc.

Instituições de Ensino

De outro lado, buscará apoio e estabelecerá parcerias com Escolas Técnicas, Escolas de Ensino Superior e com entidades de apoio que ministram cursos através do Programa Jovem Aprendiz, engajando as instituições de ensino na captação de alunos para o Programa.
As ementas dos cursos serão definidas de comum acordo com as empresas. Sempre que possível serão utilizados materiais e conteúdos didáticos disponibilizados por elas; quando isso não for possível serão buscados materiais e conteúdos pedagógicos de uso livre que serão adaptados para o Programa e novamente disponibilizados para a comunidade através da internet.

A Plataforma

Workover Academy

Os cursos serão disponibilizados na modalidade de Educação a Distância (EAD) com base na plataforma Workover. Uma plataforma tecnológica com recursos que  impactam de maneira positiva o aprendizado e a experiência dos alunos envolvidos. Além disso, os alunos participarão de sessões presenciais em laboratório próprio e/ou das empresas que participam do projeto. Dentre os objetivos desta ação piloto destacam-se:

  • Realizar a capacitação de pelo menos 100 alunos;
  • Promover eventos de match apresentando os treinados para as empresas, incentivando-as a contratarem os jovens que participaram do processo de capacitação;
  • Avaliar o nível de satisfação das empresas em relação à formação que foi ministrada, apontando eventuais ajustes que devem ser feitos no Programa.
Impacto Social

O impacto social deste projeto pode ser descrito de acordo com três vertentes, igualmente importantes para o desenvolvimento do país e alinhadas com as políticas relacionadas à tecnologia no Brasil:

Descentralização Tecnológica

Inovação e maior eficiência dentro das empresas.

Tecnologias Habilitadoras

Fundamental para a inovação tecnológica.

Especialização Técnica dos Jovens

Especialização profissional para demandas específicas.

Realização

Coordenação

Iniciativa